domingo, 18 de fevereiro de 2018

13 alimentos que atuam como um Viagra natural

Viagra é, sem dúvida, um dos medicamentos mais utilizados para disfunção erétil e problemas de ereção masculina. O ingrediente ativo no Viagra é Sildenafil, que atua na via do óxido nítrico (NO) e faz com que este neurotransmissor seja liberado na corrente sanguínea.

Isso causa o relaxamento dos músculos, a dilatação dos corpos cavernosos e os vasos sanguíneos da área genital masculina, e esse relaxamento permite que o sangue entre nas artérias e, consequentemente, na ereção. Viagra é um medicamento que atua como vasodilatador.

Alimentos que funcionam como o Viagra

No entanto, existem outros compostos que estimulam a produção de óxido nítrico, por exemplo, os aminoácidos L-arginina ou L-citrulina, que fazem parte de todos os suplementos de óxido nítrico que estão no mercado.

O óxido nítrico também é usado em circuitos de fitness, pois melhora o congestionamento e o crescimento muscular e, também, o desempenho.

Mas … existem alimentos naturais que agem como Viagra? O que eles são e quais características eles têm? Você pode encontrar a resposta a essas perguntas na lista a seguir.

1. Alho
Conforme afirmado por uma investigação do Albany College of Pharmacy (Estados Unidos), um grupo de indivíduos que consumiram alho melhorou a pressão arterial e a produção de óxido nítrico.
Este alimento é um ativador potente de NOS (óxido nítrico sintase), que diminui a pressão arterial sistólica e diastólica quando há hipertensão.
Os níveis de óxido nítrico praticamente duplicaram em indivíduos que comeram alho, e o mesmo estudo descobriu que a combinação de alho e vitamina C triplicou os níveis de NO.

2. Melancia
A melancia é uma fruta deliciosa que também aumenta os níveis de óxido nítrico e aumenta os níveis de libido . Isto é o que eles descobriram um grupo de pesquisadores da Universidade do Texas, que explicam que isso é devido a citrulina.
Este aminoácido relaxa os vasos sanguíneos e torna-se arginina, o que ajuda a produzir mais óxido nítrico.

3. Romã
A romã é uma fruta pouco consumida, mas isso proporciona grandes benefícios para a saúde , além de aumentar a quantidade de óxido nítrico no corpo.
Estudos mostram que ele causa a redução da placa arterial em até 30% e aumenta o nível de testosterona em mais de 20%. Beber um copo de suco de romã por dia pode ser ideal para melhorar a saúde sexual, pois, de acordo com pesquisas da Universidade da Califórnia, publicado no Journal of Sexual Medicine, aumenta a qualidade da ereção em até 32%, uma vez que Contém muito ácido ellagico.

4. Jalapeños
Comida picante não é o prato favorito de muitas pessoas, no entanto, esses tipos de alimentos oferecem alguns benefícios para a saúde . Os jalapeños aceleram o metabolismo e, portanto, ajudam a perder peso.
Além disso, eles contêm capsaicina, um composto que, de acordo com várias pesquisas, aumenta os níveis de óxido nítrico.

5. Nozes
As nozes são um alimento rico em gorduras saudáveis ​​e rico em vitamina E , o que aumenta os níveis de níveis de testosterona. Também contém os aminoácidos L-arginina e L-citrulina que aumentam os níveis de óxido nítrico e, portanto, pressão arterial.

6. Pistache
Outra fruta seca que tem um excelente sabor são os pistache. Esses alimentos são ricos em arginina e, como nozes, aumentam os níveis de óxido nítrico e trazem muitos benefícios para o corpo e a saúde.

Os antioxidantes nas nozes também protegem o óxido nítrico que é criado pelo consumo desses alimentos.

7. Beterraba
Não se esqueça de adicionar beterraba às suas saladas porque, além de um delicioso sabor, é muito nutritivo . Esta raiz vegetal contém uma grande quantidade de nitratos, por isso funciona como um precursor de óxido nítrico para o corpo.
É também um alimento que ajuda a prevenir o câncer e melhora o sistema imunológico.

8. Couve Curly
Alguns vegetais de folhas verdes, como espinafre e couve, contêm coenzima Q10 e um alto nível de nitratos que aumentam a testosterona , regulam a pressão arterial e têm um efeito positivo na produção de óxido nítrico.

9.Cranberry
Cranberries é um alimento muito eficaz para melhorar a saúde cardiovascular de uma pessoa , porque ajuda a reduzir a pressão nas artérias e a evitar a hipertensão.
Um estudo realizado pelo Dr. Maher e seus colegas parece indicar que essa deliciosa fruta estimula a produção de óxido nítrico, o que explica seus efeitos benéficos sobre a inflamação arterial. Isso tem a ver com os antioxidantes que contém.

10. Cebola
A cebola é um alimento muito nutritivo, que tem benefícios para a saúde sexual . É um ótimo alimento para manter a pele saudável, mas também aumenta a testosterona e contém queratina, o que aumenta a produção de óxido nítrico pelo corpo.

11. Fígado
O consumo de fígado fornece proteína e ferro em grandes quantidades, mas também promove a produção de óxido nítrico , graças ao qual é uma ótima fonte de coenzima Q10.

12. Chocolate preto
O chocolate escuro é a versão mais saudável do chocolate que podemos consumir , porque o cacau aumenta o óxido nítrico e está cheio de antioxidantes que reduzem a pressão arterial.

13. Citrus
Laranjas, limões e toranjas contêm grandes quantidades de vitamina C que, como já mencionado, protegem as moléculas de óxido nítrico de radicais livres.
Além disso, esta vitamina aumenta os níveis de óxido nítrico sintase, a enzima que converte a L-arginina em óxido nítrico .


sábado, 17 de fevereiro de 2018

Enxaqueca pode estar por atrás de AVC e infarto, diz estudo

O risco de desenvolver certos problemas cardiovasculares parece ser maior entre quem sofre com esse tipo de dor de cabeça

Quem tem enxaqueca sabe: a dor de cabeça não só nos afasta da luz e do barulho, mas também de rotinas e obrigações. Como se isso não bastasse, cientistas dinamarqueses e americanos acabaram de descobrir que a condição está relacionada um risco maior de desenvolver males cardiovasculares – entre eles, AVC e infarto.

Os pesquisadores, vindos das universidades Aarhus, na Dinamarca, e Stanford, nos Estados Unidos, analisaram os dados de um levantamento feito entre 1995 e 2013 sobre a saúde dos habitantes do país escandinavo.

Informações sobre mais de 50 mil pessoas que sofrem de enxaqueca foram equiparadas às de 510 mil livres desse tipo de cefaleia. Para a comparação, foram considerados pontos como a idade e o sexo, além de índice de massa corporal (IMC) e a presença de hábitos como o tabagismo.

Dessa forma, os cientistas chegaram às seguintes associações:

A cada mil pessoas com enxaqueca, 25 sofreram um ataque cardíaco – em comparação a 17 entre mil que não sofriam de cefaleia

A cada mil pessoas com enxaqueca, 45 sofreram um acidente vascular cerebral isquêmico – em comparação a 25 entre os mil que não sofriam de cefaleia

A cada mil pessoas com enxaqueca, 47 apresentaram fibrilação atrial (uma arritmia cardíaca que favorece o AVC) – em comparação a 34 entre os mil que não sofriam de cefaleia

Além disso, parece que as mulheres e os indivíduos especialmente sensíveis à luminosidade diante de uma crise enxaquecosa possuem probabilidade ainda maior de desenvolver as complicações listadas acima. Por outro lado, os dados indicaram que males como insuficiência cardíaca não estão relacionados à incidência da cefaleia em questão.

Os estudiosos só reforçam aquela ponderação de sempre para os estudos de observação: não dá para comprovar uma relação de causa e efeito entre a enxaqueca e as encrencas cardiovasculares. No entanto, eles ressaltam a importância de reconhecer esse tipo de cefaleia como um possível fator de risco para o peito e o cérebro.

Pelo sim pelo não, melhor se precaver, não é mesmo?


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Arritmia cardíaca: 6 fatos que você precisa saber sobre fibrilação atrial

O diagnóstico e tratamento são necessários para evitar complicações como o AVC isquêmico

"Dos muitos tipos de arritmia cardíaca, podemos chamar a atenção para a fibrilação atrial, que tem sérios riscos para o paciente: a falta de um tratamento adequado pode levar a um AVC". Com esta afirmação, o cardiologista José Rocha Faria Neto, professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), deixa bastante claro porque a doença merece uma atenção especial entre os problemas que o coração pode enfrentar.

Por ser uma arritmia cardíaca, a característica mais básica da fibrilação atrial é o descompasso dos batimentos cardíacos quando comparados ao padrão normal. Mas isto é só o começo. Tem muito mais sobre a doença que é importante conhecer.

Saiba, a seguir, seis fatos sobre a fibrilação atrial que você precisa saber:

1 - A fibrilação atrial "pula" uma etapa dos batimentos cardíacos
Para que o coração funcione de maneira normal, existe tanto uma interação entre suas partes elétrica e mecânica quanto um caminho natural a ser seguido: o estímulo para os batimentos começa no nó sinusal, passa para os átrios e, em seguida, para os ventrículos. Em quem tem fibrilação atrial, a primeira parte desse processo não acontece.
"Em vez de nascer no nó sinusal, o estímulo para os batimentos cardíacos dos pacientes com esta doença começa em pontos diversos no próprio átrio", conta o especialista. "O coração pode acelerar muito, os batimentos ficam descompassados e os átrios não conseguem contrair direito, fazendo com que o sangue circule mais lentamente neles e o bombeamento de sangue para a irrigação dos órgãos seja menos efetivo".

2 - O maior risco da fibrilação atrial é levar a um AVC isquêmico
Toda arritmia deve ser investigada e tratada, mas a fibrilação atrial requer uma atenção especial devido ao risco de levar a um AVC isquêmico, popularmente conhecido como derrame. "Um em cada cinco AVCs isquêmicos é causado por fibrilação atrial", revela o médico.
O cardiologista explica como isso acontece: "Como o sangue circula mais lentamente nos átrios, a possibilidade de formação de coágulos no coração é maior. Um coágulo pode se soltar e entupir uma artéria em algum lugar do organismo, como o cérebro. Este cenário é o mais preocupante, pois o risco de um AVC isquêmico é muito grande".

3 - Pessoas idosas correm maior risco de ter fibrilação atrial, mas não só elas
Entre os públicos mais propensos a sofrer de fibrilação atrial, Faria destaca a população da terceira idade. "O envelhecimento aumenta o risco. Quanto mais idosa a pessoa, maior o risco", afirma.
Mas existem outros casos de vulnerabilidade à doença, segundo o cardiologista: pessoas hipertensas, indivíduos que já sofreram um infarto, quem tenha hipertireoidismo e aqueles que consomem bebidas alcoólicas exageradamente. "Todos são quadros associados à fibrilação atrial", diz.

4 - Os sintomas da fibrilação atrial estão relacionados ao coração e ao mal-estar
O principal sintoma da fibrilação atrial é o aceleramento seguido do descompasso dos batimentos cardíacos. "De uma hora para outra, o coração dispara e dá para perceber que ele está fora de compasso", afirma o especialista. Além desse, outros sintomas da doença são: falta de ar, forte tontura, fraqueza, fadiga e dor no peito. Se eles forem notados em conjunto e insistentemente, deve-se passar por uma consulta com um cardiologista.
Há alguns casos em que o paciente não tem nenhum sintoma e a fibrilação atrial é descoberta por exames solicitados no check-up de rotina.

5 - Medicamento anticoagulante pode impedir AVC isquêmico
Quando a fibrilação atrial é diagnosticada, duas medidas podem ser tomadas pelo cardiologista que acompanha o paciente. A primeira é o tratamento para controle do ritmo cardíaco. A segunda é a avaliação do risco da formação de coágulos. "Isso se faz por meio de uma tabela, que permite o cálculo do risco de AVC a partir da avaliação de fatores clínicos predisponentes à formação de coágulo", esclarece o médico.
"Se for determinado um alto risco de formação de trombos, receita-se o uso de medicamentos anticoagulantes", explica o cardiologista. Esses medicamentos, como por exemplo, a Dabigatrana, têm a importante função de impedir a formação de coágulos. No caso de pacientes com fibrilação atrial, como explicado, o risco de coágulos no coração precisa ser contido, pois eles podem se deslocar e causar um AVC isquêmico.

6 - Efeito do medicamento anticoagulante em situações de emergência
Ao mesmo tempo em que o medicamento anticoagulante é muito bem-vindo no dia a dia de quem tem fibrilação atrial, pois afasta o risco de um AVC isquêmico, ele pode se tornar uma preocupação em situações de emergência, como a necessidade imediata de uma cirurgia (de apendicite, por exemplo) ou a perda significativa de sangue em um acidente. Em casos extremos como estes, restaurar a coagulação normal é importante.
Por isso, a chegada de um agente reversor ao mercado brasileiro é um grande alívio tanto para pacientes quanto para a classe médica. Trata-se do Idarucizumabe, agente reversor específico para o anticoagulante Dabigatrana. "Com uma injeção do agente reversor em ambiente hospitalar, em poucos minutos o efeito anticoagulante do medicamente de rotina é interrompido e qualquer procedimento pode ser realizado sem essa preocupação adicional", afirma o especialista.
O cardiologista explica que sem o agente reversor o efeito do anticoagulante pode levar várias horas para passar - tempo de que nem sempre é possível dispor para iniciar uma cirurgia.
"Quando o medicamento usado não tem agente reversor e não dá para esperar, parte-se para o procedimento de emergência mesmo assim. Apenas há a consciência de que haverá uma perda de sangue mais significativa que deverá ser contornada posteriormente", finaliza.


quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

As perigosas interações do álcool com vários tipos de remédio

Não é mito – e o alerta não vai só para quem está tomando antibiótico! A bebida pode causar estragos quando consumida junto a alguns medicamentos

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o consumo de álcool per capita no Brasil excede a média internacional – tendo chegado a quase 9 litros em 2016, em comparação aos 6,4 do resto do planeta. E quatro dias específicos do calendário brasileiro dão um empurrãozinho para a nossa elevada média etílica: o carnaval.

Durante o feriado, milhares de foliões pelo país estarão bebendo. E, enquanto muitos dos abstêmios podem encontrar no uso de antibióticos a justificativa para recusar uma cerveja gelada, pouco se fala sobre a interação das bebidas alcoólicas com outros tipos de remédio.

Nesse sentido, os dias de folia merecem atenção especial. Justamente por isso, o Conselho Regional de Farmácia de São Paulo preparou uma material com as principais interações entre medicamentos e a bebida, que SAÚDE adaptou para você:

Álcool + dipirona
O efeito do álcool pode ser potencializado.

Álcool + paracetamol
Maior risco de hepatite medicamentosa.

Álcool + ácido acetilsalicílico
Maior risco de sangramentos no estômago, já que o ácido acetilsalicílico irrita a mucosa estomacal.

Álcool + antibióticos
É possível que leve a vômitos, palpitação, cefaleia, hipotensão, dificuldade respiratória e até morte. Esse tipo de reação seria mais comum com as substâncias metronidazol; trimetoprim-sulfametoxazol, tinidazole e griseofulvin.

Já outros antibióticos – como cetoconazol, nitrofurantoína, eritromicina, rifampicina e isoniazida – tampouco devem ser tomados com cerveja e afins pelo risco de inibição do efeito e potencialização de toxicidade hepática.

Álcool + anti-inflamatórios
Maior risco de úlcera gástrica e sangramentos.

Álcool + antidepressivos
Aumento nas reações adversas e no efeito sedativo, além da diminuição na eficácia do medicamento.

Álcool + calmantes (ansiolíticos)
Aumento no efeito sedativo. Há ainda uma maior probabilidade de coma e insuficiência respiratória. Um exemplo disso é a substância benzodiazepina.

Álcool + inibidores de apetite
Tontura, vertigem, fraqueza, síncope, confusão mental e outros sintomas ligados aos sistema nervoso central se tornam mais comuns.

Álcool + anticonvulsivantes
Maiores efeitos colaterais e risco de intoxicação. Também há uma diminuição na eficácia contra as crises de epilepsia.


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

4 fatores que comprovadamente disparam crises de dor de cabeça

Pesquisa acusa os fatores que dificultam o controle das crises de cefaleia crônica, aquela que vive atrapalhando o dia a dia do cidadão

O poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto (1920-1999), autor de Morte e Vida Severina, sofria tanto com a enxaqueca que chegou a dedicar um poema à aspirina, um dos analgésicos mais populares do planeta. Segundo o escritor, que também padecia de depressão, a medicação era uma musa inspiradora para suas obras.

O que o poeta provavelmente não sabia é que, se você pena com uma cefaleia crônica, não adianta apelar só para os fármacos. Muitas vezes, pelo contrário, o abuso de remédios vira parte do problema. Da mesma forma, o estado de humor – mais pra baixo, como no caso de Melo Neto – alimenta o suplício. Esses são alguns dos achados de uma extensa revisão de 27 estudos publicada no periódico científico Neurology. Ela elenca pelo menos quatro fatores que comprovadamente servem de combustível à dor de cabeça.

Além da depressão (ladeada pela ansiedade) e do uso inadequado de medicamentos, falta de sono e estresse figuram entre os principais estímulos. Eles não só pioram a frequência e a intensidade das crises como sinalizam maior risco de a condição consumir a qualidade de vida. Os pesquisadores ponderam, porém, que, embora tais fatores liderem o ranking, outras situações são suspeitas de jogar lenha na fogueira da cefaleia.

A boa notícia: enfrentar as atribulações mapeadas – você vai conhecê-las com detalhes – ajuda a passar mais tempo longe dos ataques dolorosos. “Após o diagnóstico correto do tipo de cefaleia e de seus gatilhos, precisamos criar alternativas e mudar o estilo de vida a fim de eliminá-los”, resume o neurologista Mauro Eduardo Jurno, presidente da Sociedade Brasileira de Cefaleia.

Os médicos listam ao redor de 150 variedades de dor de cabeça. As mais comuns são a enxaqueca e a tensional. Elas são tidas como crônicas quando se manifestam 15 ou mais dias do mês por pelo menos três meses.

“A tensional tende a ser mais branda e se caracteriza por uma pressão na cabeça, enquanto a enxaqueca é mais forte, latejante e pode vir acompanhada de náuseas e formigamento no corpo”, diferencia o neurologista Manuel Jacobsen Teixeira, da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia. O tratamento vai depender do tipo e das particularidades de cada indivíduo, sendo que analgésicos auxiliam a silenciar as crises, e outras medicações de uso contínuo podem ser recrutadas para prevenir o sofrimento.

O que o novo estudo colabora, independentemente do caso, é a visão de que, tão importante quanto remediar a dor, é impedir que ela apareça. E, para isso, a solução nem sempre é tão fácil e portátil: devemos rever a rotina e cuidar da saúde física e mental.

1) Ansiedade e depressão
A nova revisão é categórica: quem não está com o estado mental em equilíbrio – e há muita gente nessa situação! – terá mais dificuldade para controlar a dor de cabeça. “Existem alguns mecanismos no cérebro que suprimem a dor e são afetados tanto na depressão quanto na ansiedade. Desse modo, estímulos que antes não eram dolorosos passam a ser”, esclarece o psiquiatra Fernando Fernandes, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.
De acordo com a investigação, pessoas ansiosas e deprimidas passam mais dias do mês com crises de enxaqueca, usam mais analgésicos e têm menor resposta a eles… Superar essas condições se torna, portanto, requisito básico para driblar a dor crônica. Nesse sentido, os especialistas recomendam a psicoterapia e, caso o médico julgue necessário, o uso de fármacos para balancear a bioquímica cerebral. Tudo isso aliado a um estilo de vida saudável.

2) Abuso de remédios
“O uso inadequado de analgésicos aumenta em 19 vezes o risco de uma dor episódica se tornar crônica”, alerta Teixeira. É que esse hábito – tomar algo mais de duas vezes na semana sem orientação, por exemplo – gera um efeito rebote.
“O abuso dos remédios chega a alterar o bom funcionamento do cérebro”, explica o especialista. A questão é que, segundo levantamento da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), 80% das pessoas com dor de cabeça tomam remédio por conta própria. “É um absurdo termos esse nível de consumo sem o diagnóstico correto e, muitas vezes, sem necessidade”, avalia Jurno.
Não é que você não possa recorrer a um comprimido no meio de um sufoco. Mas, especialmente se a dor for recorrente, a consulta com um profissional capacitado vai discriminar o tipo de cefaleia e nortear a adoção de medicações para cortar ou mesmo prevenir as crises – e com o mínimo de efeitos colaterais.

3) Estresse diário
Praticamente tudo que está ligado ao comportamento e às emoções influencia o aparecimento da dor de cabeça quando há propensão a ela. E, nesse ponto, a tensão se sobressai.
Segundo a revisão, dois dias seguidos de muito estresse já lançam gasolina no fogaréu. “Nessas situações de alteração do humor, há um impacto na liberação de substâncias que o cérebro usa para minimizar a dor”, aponta Teixeira.
Para piorar, não é raro que se crie um círculo vicioso. “As crises frequentes têm um papel importante no comprometimento da qualidade de vida das pessoas com cefaleia. O indivíduo passa a ter receio da crise que está por vir e isso gera um estresse que retroalimenta o problema”, observa Jurno.
Não há segredo para resolver o dilema. É preciso investir numa rotina mais tranquila. Como? Reservando espaços na agenda para o lazer e atividades que lhe transmitam paz – vale meditar, pedalar, ir ao cinema…

4) Problema para dormir
Bastam duas noites maldormidas para catapultar o risco de um episódio de dor de cabeça. Eis outro aviso do megaestudo, que destaca que não apenas a privação de sono entra na história como também condições que atrapalham o poder reparador do repouso noturno. É o caso da apneia, marcada por roncos e interrupções temporárias na respiração – ela é até duas vezes mais presente entre quem sofre de cefaleia.
Troca a noite pelo dia? Cuidado. Quanto menos horas na cama, mais intensa a tortura. Com base em suas descobertas, os cientistas acreditam que descansar ao redor de oito horas por noite, assim como tratar apneia e insônia, afasta as manifestações dolorosas.
“Dormir bem, fazer atividade física regular e evitar jejum são orientações de adaptação na rotina tão importantes quanto o uso dos medicamentos”, afirma o neurologista Marcelo Ciciarelli, diretor da ABN.

Elementos suspeitos
De acordo com a revisão, os fatores abaixo podem levar a pioras, mas ainda faltam provas contra eles

Excesso de peso: a obesidade e o ganho de peso rápido seriam capazes de patrocinar as crises, por aumentar a inflamação no corpo.
Envelhecimento: a idade em si não teria impacto, mas idosos tendem a sofrer mais quando a dor aparece e se cronifica lá na frente.
Trabalho: empregos e profissões muito estressantes podem cooperar com o transtorno. A falta de trabalho também.
Baixa expectativa quanto ao tratamento: quando não se acredita que ele vá prover melhoras, o risco de o mal persistir tende a se elevar.

Os principais tratamentos contra a dor de cabeça crônica
Remédios: há duas vertentes. Os analgésicos para debelar as crises e outras classes de uso diário para preveni-las – aqui entram desde antidepressivos até fármacos contra convulsões.
Botox: as aplicações de toxina botulínica não servem só para rejuvenescer a pele. Em pontos certos do crânio, atuam na musculatura e no bloqueio dos sinais por trás da dor.
Psicoterapia: a terapia ajuda a lidar melhor com ansiedade, angústia e depressão, condições que estimulam as crises. Meditação e técnicas de relaxamento também são bem-vindas.
Acupuntura: existem evidências de que as agulhadas dão suporte ao tratamento por atuar no sistema nervoso e instigar a liberação dos nossos analgésicos naturais.
Estimulação eletromagnética: embora ainda sejam testadas em estudos, há indícios de que as ondas direcionadas por uma máquina ao cérebro modulam áreas e substâncias envolvidas com a dor.


Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/fatores-que-causam-dor-de-cabeca/ - Por Karolina Bergamo - Ilustração: Ana Cossermelli/SAÚDE é Vital

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Quaresma 2018: As propostas do Papa

Jornada de oração e jejum soma-se a mensagem para todos os católicos

O Papa escreveu uma mensagem aos católicos de todo o mundo, com indicações para a Quaresma que se inicia esta quarta-feira, na qual propõe práticas ligadas à oração, jejum e esmola, com atenção aos mais necessitados.

“A prática da esmola liberta-nos da ganância e ajuda-nos a descobrir que o outro é nosso irmão: aquilo que possuo, nunca é só meu. Como gostaria que a esmola se tornasse um verdadeiro estilo de vida para todos”, escreve Francisco.

A Quaresma, que começa com a celebração de Cinzas, é um período marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário cristão.

O Papa parte destas práticas tradicionalmente associadas ao tempo quaresmal para apelar à solidariedade, recordando que muitos organismos recolhem, nesta ocasião, donativos “em favor das Igrejas e populações em dificuldade”.

A mensagem apresenta o jejum como “ocasião de crescimento”, colocando-se no lugar de quem não tem “sequer o mínimo necessário”, afetado pela fome.

A Quarta-feira de Cinzas é, juntamente com a Sexta-feira Santa, um dos únicos dias de jejum e abstinência obrigatórios para os católicos.

Francisco deixa votos de que estes apelos ultrapassassem as fronteiras da Igreja Católica, dirigindo-se a todos os que se preocupam com a “iniquidade no mundo” e o “gelo que paralisa os corações”, com a perda do sentido da humanidade comum.

“Uni-vos a nós para invocar juntos a Deus, jejuar juntos e, juntamente connosco, dar o que puderdes para ajudar os irmãos”, apela.

O mesmo apelo inter-religioso estende-se à jornada mundial de oração e jejum pela paz, convocada para 23 de fevereiro, evocando em particular as vítimas dos conflitos na R. D. Congo e Sudão do Sul.

“Perante o trágico arrastamento de situações de conflito em diversas partes do mundo, convido todos os fiéis para uma jornada especial de oração e jejum pela paz, a 23 de fevereiro, sexta-feira da primeira semana da Quaresma”, anunciou o Papa.

Francisco alerta, na sua mensagem para a Quaresma 2018, para os “falsos profetas” do dinheiro e do lucro, que considera responsáveis pela violência e o descarte dos mais fracos.

“O que apaga o amor é, antes de mais nada, a ganância do dinheiro, raiz de todos os males; depois dela, vem a recusa de Deus”, adverte.

No que diz respeito à oração e ao recolhimento na preparação para a Páscoa, o Papa dá ele próprio o exemplo, dedicando seis dias aos exercícios espirituais de Quaresma, fora do Vaticano, este ano com orientação do padre e poeta português Tolentino Mendonça, de 18 a 23 de fevereiro.

“O elogio da sede” é o tema do retiro do Papa Francisco e da Cúria Romana, na Casa do Divino Mestre, dos religiosos paulistas, em Ariccia, arredores de Roma.


Tomar energético faz mal ao coração, segundo estudo

A maioria dos jovens que recorre à bebida acaba experimentando algum sintoma desagradável; principal queixa tem a ver com o coração

Em estudo, maior parte de consumidores de energéticos teve experiências ruins com a bebida, como batimento cardíaco acelerado

Tem quem tome energético para fazer o dia render mais. E há aqueles que usam a bebida para animar a balada – não raro ela é misturada ao álcool. Seja qual for a circunstância, o fato é que esse tipo de produto não goza de popularidade entre os profissionais de saúde. E a ciência sempre dá mais um motivo para essa antipatia crescer.

O mais recente vem da Universidade de Waterloo, no Canadá. Dos 2 055 jovens entrevistados pelos pesquisadores, 55,4% relataram ter experimentado alguma reação adversa após consumir um energético.

Entre os que manifestaram sintomas desagradáveis, 24,7% reportaram batimentos cardíacos acelerados e descompensados  – quadro conhecido como arritmia. E, principalmente em pessoas com histórico de doença cardíaca, essa mudança no ritmo pode ser bastante prejudicial.

Já 24,1% disseram ter dificuldade para dormir, enquanto 18,3% sofreram com dor de cabeça. Em comunicado ao site da universidade, David Hammond, um dos autores da pesquisa, afirma que a quantidade de efeitos adversos observados sugere uma necessidade de restringir o consumo desse produto entre crianças e adolescentes.

Vale lembrar que, em 2016, cientistas da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, viram que apenas uma latinha de energético já foi capaz de alterar a pressão arterial de 25 jovens saudáveis, elevando, assim, seu risco cardíaco.

O “xis” da questão

Muitos dos prejuízos associados aos energéticos têm a ver com sua alta quantidade de cafeína, uma substância estimulante. Só que existe limite para seu consumo – e a ingestão de uma latinha já pode ultrapassá-lo.

Não custa lembrar também que, muitas vezes, o produto é misturado a bebidas alcoólicas. A combinação contribui ainda mais para problemas cardíacos, especialmente entre indivíduos suscetíveis. E como nem todo mundo sabe se é ou não mais propenso a piripaques no coração, o perigo é grande. Melhor não arriscar.


Fonte: https://saude.abril.com.br/alimentacao/tomar-energetico-faz-mal-ao-coracao-segundo-estudo/ - Por Thaís Manarini - Foto: Dercílio/SAÚDE é Vital     

Campanha da Fraternidade 2018: “Fraternidade e superação da violência”

Um grupo de pessoas com as mãos dadas, de diferentes idades e etnias, representando a multiplicidade da sociedade brasileira é a mensagem exposta no cartaz da Campanha da Fraternidade 2018. Especialmente no Ano do Laicato, a Igreja no Brasil convida a todos, por meio da CF 2018, a refletir sobre a problemática da violência, particularmente em como superá-la.

No cartaz, segundo o secretário-executivo das Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Luís Fernando, as pessoas que nele formam um círculo e unem as mãos indicam que a superação da violência só será possível a partir da união de todos. “A violência atinge toda a sociedade brasileira em suas múltiplas esferas, o caminho para superar a violência é a fraternidade entre as pessoas que se unem para implementar a cultura da paz”, explica.

A escolha do Cartaz, de acordo com o padre Luís Fernando, foi feita com base em duas etapas. A primeira foi aberta a participação da população que pôde enviar sugestões de arte por meio de um edital aberto ao público e a segunda passou pela avaliação do Conselho Permanente da CNBB. “A partir dessa escuta é que chegou a atual configuração do Cartaz”, sublinhou.

Com o tema “Fraternidade e superação da violência”, a CF 2018 além de mapear a violência, colocará também em evidência as iniciativas que existem para superá-la, bem como despertar novas propostas com esse objetivo.  “A Igreja no Brasil escolheu o tema da superação da violência devido ao crescimento dos índices de violência no Brasil. Esse tema já foi discutido na década de 80, num contexto em que o país vivia a recessão militar e dentro desse contexto foi possível mapear diversas formas de violência”, afirma padre Luís.

Ele explica ainda que o lema da CF “Vós sois todos irmãos” foi extraído do capítulo 23 do Evangelho de São Mateus, no qual Jesus repreende os fariseus e mestres da lei, por suas práticas não serem coerentes com os seus discursos: “Os fariseus e mestres da lei valorizavam a sociedade hierarquizada. Jesus propõe-lhes então um novo modelo mais comunitário e fraterno “Vós sois todos irmãos”.

“O lema da Campanha da Fraternidade 2018 é um convite para a superação da violência por meio do reconhecimento de que cada pessoa humana é irmão, é irmão e se assim o é então não se pode deferir contra ele (a) atos de violência”, finaliza padre Luís.


segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Hábitos de vida que podem fazer a diferença

A manutenção de hábitos saudáveis é fundamental para a prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas e deve ser estimulada desde a infância

A manutenção de hábitos saudáveis é fundamental para a prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas. A adoção de hábitos saudáveis deve ser estimulada desde a infância e adolescência, promovendo alimentação saudável, evitando o consumo de sódio, álcool e combate ao sedentarismo.

Evitar o tabagismo também é importante, pois o cigarro aumenta o risco para a hipertensão, está relacionado ao aumento de resistência para medicamentos anti-hipertensivos e complicações cardiovasculares, além do maior risco para insuficiência renal. No caso da hipertensão arterial, e outras doenças cardiovasculares, como doença arterial coronariana a mudança de hábitos é parte fundamental do tratamento não medicamentoso, devendo ser incorporadas a rotina por toda a vida.

Sabemos que as ações educacionais em estilo de vida são mais efetivas quando iniciadas ainda na infância. De forma análoga, o custo da saúde pública se reduz quando analisamos pessoas que iniciaram hábitos saudáveis desde a infância, quando comparado com pessoas que apresentam as doenças cardiovasculares e a partir desse momento começam a modificar a alimentação e incorporam a atividade física.

Alguns passos podem ser recomendados para a adoção de hábitos saudáveis

Procure utilizar o mínimo de sal no preparo dos alimentos

Evite deixar o saleiro na mesa, assim você não adiciona mais sal na refeição

Para saber o conteúdo de sódio dos alimentos, fique atento ao rótulo!

Na hora de temperar os alimentos, prefira temperos naturais como alho, cebola, orégano e manjericão. Evite o uso de temperos industrializados, como caldos prontos e glutamato monossódico, pois costumam ter alta quantidade de sódio

Alimentos embutidos, enlatados, molhos prontos e carnes salgadas (como carne seca) devem ser evitados, devido a sua alta quantidade de sal e gordura

Consuma menor quantidade de gordura no dia a dia; dê preferência ao uso de óleos vegetais e consuma mais preparações cozidas, assadas e/ou grelhadas

Evite o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e cigarros

Procure consumir pelo menos três porções de frutas e hortaliças por dia e dê preferência às versões integrais de alimentos como pães, cereais e massas

Procure um profissional capacitado para orientar a prática de atividades físicas, saiba que 30 minutos diários de caminhada já é uma importante ferramenta na prevenção

Mantenha seu peso saudável. O excesso de peso contribui para o desenvolvimento da hipertensão arterial.


domingo, 11 de fevereiro de 2018

Como tratar e vencer a insônia?

Dados do hospital Albert Einstein, de São Paulo, apontam que no Brasil cerca de 2 milhões de pessoas sofrem com insônia, distúrbio que prejudica o adormecer ou impede a pessoa de permanecer dormindo. As causas são variáveis: problemas físicos, como artrite e insuficiência cardíaca; ou psicológicos, como estresse, depressão e ansiedade.

“A insônia pode ser considerada doença de origem comportamental ou um sintoma relacionado à presença de condições predisponentes, como dor, alterações ambientais, doenças de cunho clínico ou psíquico”, confirma o neurologista R. Nonato D. Rodrigues, secretário do Departamento Científico de Medicina do Sono da ABN (Academia Brasileira de Neurologia).

Para o tratamento é necessário conhecer a causa e os medicamentos tem de ser receitados no início do tratamento para insones que tenha outras doenças e para pacientes com insônia aguda situacional.

“Infelizmente a tal regulação do sono via administração de remédios age mais como elemento auxiliar no verdadeiro tratamento da insônia. Há basicamente drogas que aceleram a entrada em sono e tentam estabilizá-lo e outras que inibem. Além disso, algumas medicações utilizadas para outros tratamentos, como os transtornos psicológicos-psiquiátricos ou mesmo alguns antibióticos, podem influenciar o sono”.

Os medicamentos reduzem o tempo de espera pelo sono, mas podem não apresentar efeitos duradouros no restante da noite, inclusive ocasionando uma superficialização e fragmentação do adormecer.

Como todas as medicações, os remédios para a insônia podem causar danos, por isso é preciso ficar atento e jamais se automedicar.

“Certas medicações, quando usadas de maneira recreativa e em doses altas, podem induzir dependência, tolerância (necessidade de doses maiores para se obter o mesmo efeito), embotamento da atenção ou da memória. Como alguns são também relaxantes musculares ou depressores respiratórios, podem agravar quadros limítrofes de síndrome da apneia do sono, por exemplo”, ressalta Rodrigues.

Fora os medicamentos que ajudam a combater a insônia, o paciente pode ser submetido à terapia.

“O tratamento mais eficaz para as diversas formas de insônia vem, há muito, sendo realizado pelas diversas técnicas de Terapia Cognitivo-Comportamental. Os resultados estão apoiados em extensas evidências. Parece ter eficácia aumentada em longo prazo quando associada temporariamente ao uso de hipnóticos, preferencialmente não-benzodiazepínicos (antidepressivos)”.

Para obter resultados positivos em um tratamento da insónia, é vital determinar a causa. “A partir daí temos um tratamento e um prognóstico mais acertados. O grande problema é que entre os médicos ainda existe certo desconhecimento do caráter comportamental subjacente a muitos episódios de insônia e uma excessiva confiança no uso de medicações apenas para tratar o problema”, ressalta Rodrigues, que dá dicas para evitar hábitos que influenciem na hora de dormir:

“Nada de utilizar aparelhos eletrônicos em local que deveria estar reservado para dormir, manter uma rotina na hora do sono, com horários e local adequados para dormir, não fazer uso de bebidas cafeinadas ou álcool à noite, e evitar o sedentarismo”.


sábado, 10 de fevereiro de 2018

Sexo no carnaval: cuidado com as DSTs!

Das antigas marchinhas de carnaval até os trios elétricos de hoje, correu muita água debaixo da ponte. Antes os jovens flertavam e hoje a galera fica.

O ficar depende de cada um, mas é importante conscientizar-se dos riscos para ficar tranquilo.

Desde um beijo até a própria transa tudo deve basear se em cuidados, para não correr riscos sem motivos.

As doenças de transmissão sexual também se modificaram ao longo dos anos. Umas persistem até hoje e outras infelizmente apareceram.

Se incrementaram tanto ao longo dos anos que até mudaram de nome, de doenças venéreas, como eram conhecidas no tempo das marchinhas agora se chamam DSTs, ou doenças sexualmente trasnmissiveis, encabeçadas pela mais amedrontadora de todas que é a Aids.

As DSTs são um grande problema de saude pública em todo o mundo, mas podem ser prevenidas e controladas.

Existem inúmeras doenças transmitidas através do ato sexual que eram chamadas de doenças venéreas e agora tem a denominação de Doenças Sexualmente Transmissíveis, conhecidas pela abreviação DSTs. As DSTs são um grande problema de saúde pública em todo o mundo, mas podem ser prevenidas e controladas.

Desde o fim da década de 80, várias alterações relacionadas as DSTs ocorreram em todo o mundo. Constatou-se que em todos os países o aumento da transmissão heterossexual do HIV (vírus da AIDS) era facilitada pela infecção anterior ou concomitante de outras DSTs; As autoridades sanitárias tiveram evidências incontestáveis de que o controle abrangente e consistente das DSTs na comunidade previne a transmissão do HIV da AIDS.

Na década de 70 a faixa etária de pacientes com problemas relacionados às DSTs situava-se acima dos 30 anos. Atualmente, a média baixou para 12 anos. A incidência mais comum do setor nos últimos anos tem sido o papilomavírus humano (HPV), responsável por mais de 60% das ocorrências de DSTs no Brasil (seguindo-se a sífilis e as uretrites não-gonocócicas).

A estimativa da Organização Mundial de Saúde é que surjam 30 milhões de novos casos de DSTss por ano na América Latina. No Brasil, estima-se em 15 milhões essa ocorrência. Entretanto, esse número pode estar aquém do número real, já que as únicas doenças de notificação compulsória que os médicos devem avisar, obrigatoriamente ao Governo, são a sífilis congênita e a AIDS.

As DSTs mais frequentes

As DSTss são transmitidas de uma pessoa para outra através do contato sexual, sendo as mais frequentes:

Gonorréia: é uma infecção causada por uma bactéria Neisseria gonorrhoeae. No homem aparece uma secreção purulenta de dois a dez dias após o contato sexual suspeito, com dor e ardência ao urinar. É uma infeção só da uretra (uretrite). Na mulher tem aspecto clínico variado desde formas quase sem sintomas até vários tipos de corrimento amarelados e com odor forte na vagina (vaginite) e uretra. A infecção não tratada avança para os testículos (orquite) e a próstata (prostatite) no homem e trompas e útero nas mulheres. Em ambos os sexos, pode gerar dores e infertilidade. A mulher infectada transmite a doença para o filho durante o parto, podendo resultar em infeção nos olhos do bebê e cegueira.
Sífilis ou Lues: é uma infeção causada por uma bactéria espiroqueta Treponema pallidum. No homem e na mulher 20 a 30 dias após o contato sexual surgem uma pequena ferida (úlcera) nos órgãos genitais (pênis, vagina, colo do útero, reto). Essa úlcera também é chamada de cancro duro (que vem junto com os gânglios (caroços) na virilha) e ambos desaparecem em um mês, dando a falsa impressão que a doença sarou. Surgem depois de 1 a 2 meses manchas na pele (sífilis secundária) que pode progredir agredindo o sistema nervoso e o coração. As gestantes com sífilis podem ter abortamentos, natimortos ou fetos com problemas de má formação.

Cancro Mole ou Bubão: é causada por uma bactéria chamada Haemophilus ducrey. Neste caso, surgem várias feridas nos genitais (que são doloridas) e na virilha. A secreção dessas feridas podem contaminar diretamente, sem ter relações sexuais, outras pessoas e outras partes do corpo.

Tricomoníase: é causada pelo protozoário Trycomona vaginalis. Na mulher causa um corrimento amarelo, fétido, com cheiro típico, que pode causar irritação urinária. No homem passa despercebido, mas mesmo assim ele pode contaminar e ser contaminado pela mulher. O casal deve fazer o tratamento concomitante.

Herpes Genital: é causada pelo vírus Herpes simplex 1 e 2. Em ambos os sexos surgem pequenas bolhas que se rompem e causam ardência ou queimação (mas, que cicatrizam sozinhas). Aparecem e desaparecem expontaneamente regulada por estresse ou cliclo menstrual. Não há cura definitiva. O contágio sexual só ocorre quando as bolhas estão no pênis, vagina ou boca.

Condiloma, acuminado ou crista de galo: é causado por um vírus HPV ou papilomavírus humano. É uma virose que está relacionada com o câncer de colo do útero e câncer do pênis. É uma doença de difícil tratamento pois, como os anti-bióticos não atuam contra o vírus, precisa ser um medicamento anti-vírus como é usado na AIDS. É caracterizada por uma pequena verruga nos órgãos genitais tanto do homem como da mulher. O tratamento é do casal. Uma mulher com esse vírus deve evitar ficar grávida, pois o filho será contaminado com graves conseqüências. Apresentando mais de noventa tipos diferentes, o HPV provoca verrugas genitais, que muitas vezes agridem o colo do útero, podendo levar ao câncer. O HPV 16, por exemplo, é extremamente agressivo, proliferando-se intensamente nos genitais e no colo uterino até em pacientes de 15 anos, já com câncer no colo do útero provocado pelo HPV.

Cândiase ou Flores Brancas: é uma doença causada por uma micose ou fungo chamada de Candida albicans, que produz um corrimento semelhante a um leite coalhado que causa muita coceira e afeta 20 a 30% das mulheres jovens e adultas. Surge com a gravidez, com a puberdade, diabetes, estresse e antibióticos. No homem dá coceira no pênis, vermelhidão na glande e no prepúcio. Deve se tratar o casal.

AIDS: é uma doença causada pelo vírus HIV (Vírus da imunodeficiência humana) que é transmitido principalmente pelo esperma, sangue, e leite materno, e há suspeitas de que também pela saliva. O beijo só poderá transmitir o vírus no período que está em alta concentração no sangue de um dos parceiros e o outro tem um ferimento na boca. O sexo oral com um parceiro que tem o vírus, tem maior probabilidade de transmissão da infecção, pois o contato é com o semem, aumentando as chances se houver uma ferida na boca

Clamidea: causada pela Chlamydia trachomatis é considerada atualmente a doença sexualmente transmissível de maior incidência no mundo, podendo atingir homens e mulheres em qualquer fase de suas vidas, desde quando nascem de mães contaminadas ou durante o contato sexual. Nos homens, a principal infecção por via sexual é a uretrite. Essa uretrite tem como característica ser menos purulenta e espontânea do que a gonorréia. Geralmente é matinal e pode demorar dias para se manifestar. Promove em alguns homens disúria (dor ao urinar) e um prurido uretral. Se não identificada e tratada corretamente, pode progredir para uma infecção mais profunda, atingindo os testículos com comprometimento da fertilidade. Nas mulheres, a porta de entrada é o colo uterino. O sintoma, quando ocorre, é um discreto corrimento. As complicações nas mulheres da infecção não tratada são a doença inflamatória pélvica e o aumento do risco de gravidez ectópica (fora do útero, nas trompas). A maioria das pessoas (50% dos homens e 70% das mulheres) infectada não apresenta sintomas ou sinais clínicos, dificultando muito a identificação das pessoas contaminadas. Estas últimas têm um potencial para adquirir sérias complicações, já que na maioria das vezes não procuram cuidados adequados, portando estas infecções duram por longos períodos. Além disso, funcionam como reservatórios e transmitem essas infecções aos parceiros tornando-as um dos principais problemas de saúde pública em todo o mundo.


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Não consegue se desfazer do mau hálito? 5 soluções mais efetivas do que chicletes

A halitose, ou mau hálito, apesar de não ser considerada uma doença, pode indicar problemas que afetam a gengiva, garganta e até outras partes do corpo.

Além de não ajudarem a combater a raiz do mau hálito, balas e chicletes podem até piorar o problema, já que têm açúcar, que estimula bactérias a produzirem ácidos que desmineralizam o esmalte dos dentes, promovem a degradação de restos de alimentos e contribuem para o aparecimento do cheiro desagradável.

Soluções eficientes contra o mau hálito

1. O primeiro passo é cuidar bem da saúde bucal e saber que apenas uma simples escovação dos dentes não limpa de forma adequada a boca. De acordo com o cirurgião dentista José Eduardo Pelino, é necessário usar escova de dente, fio dental e enxaguante bucal, porque o trio garante a remoção de 99% dos germes que causam gengivite e halitose.

2. Evite a desidratação e consuma bastante água ao longo do dia. Pessoas que bebem pouca água ou que respiram pela boca têm menos salivação, o que aumenta suas chances de ter mau hálito, explica o dentista.

3. Inclua maçã no seu cardápio diário. Além de contribuir para a limpeza superficial dos dentes por eliminar o acúmulo de resíduos que aumentam a presença de bactérias, a fruta promove uma digestão eficiente e melhora o funcionamento do intestino, fatores que evitam o odor ruim na boca.

4. Outra fruta que ajuda a combater o mau hálito é o limão. Com poder bactericida e adstringente, ele ajuda a reduzir, tanto na boca como no aparelho digestivo, a quantidade de bactérias que provocam o mau hálito.

5. Evite dietas restritivas demais e, principalmente, o jejum prolongado. Ficar muitas horas sem comer aumenta as chances de cheiro ruim na boca.